download theme

Bonus for new user http://bet365.artbetting.gr 100% bonus by bet365.

bet365.artbetting.co.uk

Últimas notícias:
A+ A A-

Dilma defende espaço nas leis para ação contra segurança.

A presidente Dilma Rousseff defendeu na semana passada, durante entrevista à rede de televisão CNN, dos Estados Unidos, rever a Constituição para repartir a responsabilidade pela segurança pública - hoje majoritariamente a cargo dos Estados. Sem entrar em detalhes, Dilma afirmou, na entrevista, que quer envolver várias esferas de governo para resolver, por exemplo, a questão prisional brasileira.
As críticas à segurança pública devem pautar o debate eleitoral deste ano, uma vez que seu principal adversário, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), fez do tema uma de suas principais bandeiras.
Hoje, a única maneira de o governo federal interferir na segurança é quando autoriza a atuação de tropas da Força Nacional --composta sobretudo de policiais militares e bombeiros dos Estados, cujo treinamento é patrocinado pelos cofres federais.

A fala de Dilma veio em resposta a questionamento sobre a violência policial brasileira e os casos de mortes por tortura atribuídos à polícia. “Eu acredito que nós teremos de rever isso, rever a Constituição. Por quê? Porque essa é uma questão que tem de envolver o Executivo federal, o estadual, a Justiça estadual e federal, porque também há uma quantidade imensa de prisioneiros em situações sub-humanas nos presídios”, afirmou.

Dilma também falou na entrevista de seu tempo presa durante a ditadura militar. Descreveu episódios de tortura que vivenciou em São Paulo, mas negou ter pretendido ser “uma espécie de Robin Hood”.
“O que faziam no Brasil com todo mundo que era preso: uma coisa que se chamava pau-de-arara, que é uma forma de pendurar as pessoas pelos braços e pelas pernas; e muito choque elétrico. É a forma mais... É uma dor que anda”, descreveu.
Espionagem
Dilma também disse não acreditar que os atos de espionagem dos Estados Unidos sejam responsabilidade do governo Barack Obama, mas parte de uma política que foi posta em curso a partir do 11 de Setembro.
Segundo a dirigente brasileira, os norte-americanos “deram vários passos” para responder às exigências brasileiras depois de revelado que o governo dos EUA espionou a presidente e assessores de seu governo.
Dilma disse que cancelou sua visita de Estado aos Estados Unidos porque a relação fora afetada por “revelações que nós não tínhamos controle, não sabíamos que existiam”.
“O governo Obama estava em processo de equacionar esse problema, essa questão da espionagem internacional. Como não tinha condição de responder para nós, nós não tivemos nenhuma outra ação... Eu ia fazer uma visita e não fiz por isso.” (das agências).

Fonte: Jornal O Povo

Última modificação em
Avalie este item
(0 votos)
voltar ao topo